Bom, já era de esperar pelo tema dessa poesia, né? Se no oitavo mês o pequeno entrou no colégio, nada mais óbvio que no nono mês aconteça a primeira virose. (é para rir ou para chorar?) Sim, sabemos que há uma relação intrínseca entre a escola e as viroses.

Acho que foi a primeira vez que eu realmente fiquei preocupada com a saúde do meu filho. Não que uma virose seja algo grave, mas ver o pequeno fraquinho, sem conseguir se alimentar suficientemente e sem vontade de fazer nada é de cortar o coração de qualquer mãe.

E esse episódio aconteceu justamente durante o feriadão do Carnaval. Se por um lado foi bom por estarmos todos em casa – e podermos ficar integralmente à disposição do doentinho –, por outro, frustrou as expectativas da família – principalmente das avós – em ver o pequeno folião pulando Carnaval.

Pelo menos o restante da família não pegou a tal da virose. Não, não é egoísmo, não. É que cuidar de alguém estando doente é bem pior, né? Assim, pudemos todos voltar à vida normal na quarta-feira de Cinzas.

Mas não sem antes escrever uma poesia 🙂

 

Nono Mês

Ao chegar a primeira virose
tivemos que providenciar
carinho em overdose
para o mal estar passar

Dá um aperto no coração
te ver todo caidinho
sem querer ficar no chão
e só pedindo colinho

Mas foi bonito de ver
que não é tão fácil te abater
Mesmo não conseguindo comer
não deixasse de brincar e correr

E o nosso Carnaval
não foi nada trivial
teve palhaço e homem aranha,
avós, fotos e um pouquinho de manha.

Talita
21/03/14
8:47

Essa poesia faz parte do Álbum do primeiro ano do Vinicius.

 

Quando foi a primeira virose do filhote de vocês?

 

Interessados em ler outras poesias que também fazem parte do álbum do primeiro ano do Vinicius?

No Terceiro Mês do bebê descobri que amor de mãe não é a primeira vista. Também há uma poesia para o Quarto Mês do bebê. Na verdade, há uma poesia para cada mês do primeiro ano. A anterior a esse post é a do Sétimo Mês do bebê.

loading...