Por aqui, antes mesmo do filhote nascer já tinha um nome escolhido. Felizmente o marido concordou e não tivemos muita complicação para escolher o nome do bebê.

Contei um pouquinho dessa história aqui.

Mas sei que muitos casais não fazem essa escolha assim tão facilmente. Pensando em ajudar essas famílias, resolvi compartilhar algumas dicas de como escolher o nome do bebê por aqui. Confere aí embaixo!

 


 

Como escolher o nome do bebê?

“O que você acha de Amanda ou Aline… e se for menino?”.
Tantas conversas começam nos primeiros meses de gravidez quando pais começam a decidir entre tantos nomes do bebês.

Enquanto você está esperando pelo bebê, uma das tarefas é encontrar o nome perfeito no momento perfeito, uma tarefa muito delicada que pode levar a alguma discussão entre os pais.
São poucos os pais e mães que decidem numa tacada só o nome do bebê ou acabam por colocar aquele que sempre pensaram antes da gravidez. Além disso, quando você finalmente decide sobre um deles, seus familiares podem se opor a você, mas você terá que se manter firme com sua escolha.

Descubra no artigo de hoje, quando e como escolher o nome do bebê durante a gravidez, descubra todos os detalhes!

Em que semana começar a escolher o nome do bebê?

Primeiro, você terá que saber o sexo do bebê a fim de separar os nomes femininos e masculinos que você mais gosta. A menos que você não queira saber o sexo do bebê até o momento do parto, você pode pensar nos nomes de meninas e meninos desde o início da gravidez.

Qual é o momento perfeito para decidir o nome do bebê?

O ideal é decidir o nome dele na semana 50 ou 52 da gravidez, que é quando você já pode saber o sexo, mas cuidado, lembre-se de tudo que você precisa levar em conta para escolher o melhor nome.

Agora que você sabe quando escolher o nome do bebê durante a gravidez, lembre-se que a escolha do nome certo marcará sua personalidade e o acompanhará por toda a vida.

Vamos a algumas dicas:

Pessoas com mesmo nome na família

Você tem que ter cuidado antes de usar um nome que outro membro da família já possui. Isso é importante por vários motivos. Um deles é evitar confusões ou ter que procurar maneiras de identificar uma pessoa ou outra, principalmente entre primos.

Mais tarde também, isso pode gerar problemas por conta do sobrenome, principalmente se for peculiar. Duas pessoas da mesma família com o mesmo nome ou parecido, pode gerar confusão no futuro.

Outro é o valor simbólico do nome: ser chamado como avô ou outro parente já morto, pode ser um elo com a história da família, mas carregar o nome de um irmão falecido pode fazer com que a criança se sinta a substituta por uma pessoa que não existe mais.

Evite cafonices ou trocadilhos

Um nome deve ser dado levando em conta o sobrenome. Um nome que rima com o sobrenome, como: Gusmão Militão ou Daniel Emanuel) ou forma uma frase engraçada (Armando Guerra, Lua Branca, Jacinto… enfim) pode ser muito desagradável e, especialmente durante sua infância e adolescência, causar muitos problemas.

Também não é muito legal por irmãos com nomes parecidos, como Kaylana, Kayllene e Karina.

Preveja como os outros vão chamá-los

Priscila, será chamada de Pri. José, será chamado de Zé. Rafael de Rafa e tantos outros casos. É conveniente pensar não apenas se o nome é belo, mas também em qual será o modo real pelo qual os outros o chamarão ou, até mesmo, seus próprios pais.

Outro problema, menos óbvio, aparece com nomes semelhantes que terminam com o início de sobrenomes (como MariA Alvarez ou LucaS Simas). Pode ser complicado de pronunciar e, por vezes, levantar dúvidas para aqueles que têm de ouvi-los e tentar entender.

Além disso, combinações de nomes longos com sobrenomes curtos (Luis Talavera) ou vice-versa (Carolina Paz) são muito mais musicais. E é melhor evitar repetições, é claro, como Rodrigo Rodríguez, Fernanda Fernandez, etc.

Não tome decisões precipitadas

É aconselhável tomar todo o tempo necessário para fazer a escolha certo do nome do bebê. Pode acontecer que, a princípio, um nome pareça muito interessante de acordo com os pais da criança e, com a passagem das semanas, comecem a perceber que ele não era tão bonito quanto pareciam no início. Tudo bem mudar…

Em outros momentos, pode acontecer algo que os leve a descartá-los, como o nascimento de um bebê de parentes ou amigos (ou de uma celebridade) a quem eles dão esse mesmo nome. Ou uma música com o nome escolhido que se torna popular ou até mesmo um personagem da TV.

Não há necessidade de se agarrar a uma decisão, pois nada vai ser escrito em pedra. É importante pensar que o nome é fundamental na vida de uma pessoa e que a decisão sobre ela não deve ser tomada de maneira egoísta.

Wellington, redator do Calcinhas para Revender.

 

loading...