Sobre o Projeto “Quero minha barriga de volta”. Não sou dessas pessoas superpreocupadas com a aparência ou o corpo. Não mesmo. Uso menos maquiagem do que deveria – penso que eu poderia, pelo menos, aprender a preparar a pele e esconder um pouco as olheiras. Alguém aí pode me dar umas dicas?

Faz tempo que não piso numa academia! Se for parar para pensar, depois que o filhote nasceu, ainda não consegui voltar a fazer exercícios físicos a sério. Aliás, mãe tem direito a frequentar academia?

De qualquer forma, mesmo antes de ser mãe, sempre gostei mais de dançar que de malhar. Minha motivação para a academia sempre foram as aulas aeróbicas: aquelas que misturam dança/música com ginástica/exercício.

Mas de uma coisa eu me orgulhava – e muito! – a minha barriga.

Adorava minha barriga pré maternidade! Mais que essa barriga pré maternidade só mesmo o barrigão de grávida: esse eu AMAVA.

Agora, isso aqui que ficou no lugar da minha barriga depois que o bebê saiu, não reconheço como meu – apesar de fazer parte do meu corpo. Como meu filho está com 2 anos e meio, dá para perceber que já faz um tempinho que estou descontente com esse fato, né?

Daí que estamos no fim do ano e decidi colocar meu corpo um pouco em evidência (para mim mesma) e minha barriga será uma das minhas “resoluções de ano novo” (vocês costumam fazer uma lista?). Melhor mesmo seria pedir minha barriga antiga de volta para o Papai Noel, mas o Vinicius já está em negociação com o Bom Velhinho e vou deixá-los resolver isso primeiro.

Resolvi chamar de Projeto “Quero minha barriga de volta” – sim, sou dessas que fazem promessas para si própria! Podem rir, se quiserem. Mas é assim que coloco minha persistência em ação – e persistência é uma das palavras que gosto de usar para me definir.

Claro que a barriga é apenas um ícone.

Na verdade, preciso voltar um pouco meu olhar – e tempo – para a minha saúde. Acreditam que só há uns 3 meses atrás é que voltei no médico depois da alta da cesárea? Por sorte os exames estão bons (por sorte não; acontece que cuidando para que o pequeno tenha uma alimentação saudável a gente também acaba se alimentando bem).

Mas a falta de exercício físico regular aparece em algum lugar. Sabem onde? Na balança! 4 Kg a mais podem não parecer muito para alguns, mas para quem mede 1,60 cm e não podia doar sangue porque não tinha o peso mínimo, faz muita diferença – principalmente no guarda-roupas.

Como já disse, mais que perder peso, a intenção é me exercitar, ter um melhor condicionamento físico. E por que estou falando disso aqui no blog? Oras, porque compartilhar esse projeto com vocês vai me fazer ter mais comprometimento com ele – sim, também sou dessas que se cobra!

Vou aproveitar que no verão a gente tem mais vontade de comer frutas e salada e também mais vontade de ficar ao ar livre para dar início ao projeto – e tenho um bônus: estamos de férias em janeiro! (só para esclarecer: férias do trabalho e do colégio; não do blog!)

A meta é fazer caminhadas ou pedaladas diárias – maridão comprou bicicleta nova!

Isso porque imagino que é um exercício que conseguirei manter mesmo depois das férias. Pelos menos levar e buscar o filhote no colégio sem usar o carro eu consigo, né? (ajuda, São Pedro!).

Acredito que, especificamente para a barriga, o ideal seria fazer abdominais diários, mas não sei se consigo manter esse compromisso em casa (já tentei antes e acabo parando depois de umas semanas). Há uma promessa – de mim para mim mesma – que eu vá para a academia duas vezes por semana, ano que vem. Vamos ver se vai rolar.

 

Prometo voltar aqui para contar sobre o desenrolar desse projeto. E vocês podem me ajudar! Deixem seus comentários aqui no blog! E mais: que tal dar aquela indireta perguntando se fiz a caminhada do dia lá Facebook? Ou, como quem não quer nada, cobrar uma foto de pedalada da família pelo Instagram?