Seu filho sente a tal dor do crescimento? Já ouvisse falar sobre ela? Não, não é mito.

A dor do crescimento é real.

Nunca tive dúvidas de que crescer dói. A gente só cresce em momentos de crise e momentos assim costumam ser recheados de dor. Mas o quero dizer, hoje, é que crescer dói literalmente.

A dor é sentida mesmo por crianças e adolescentes em crescimento. É uma dor física. Eu não lembro de ter sentido a chamada dor do crescimento, mas agora, mãe, tenho um contato bem mais próximo com ela. Talvez mais próximo do que gostaria.

A primeira vez que aconteceu, levamos um susto: o filhote acordou do nada, chorando de dor. Até entendermos por que exatamente ele estava chorando, levou um tempo. Mas, ao se acalmar um pouco, ele conseguiu verbalizar que estava com muita dor nas pernas.

Fiz massagem, dei muito carinho, e depois de um tempo amenizou. Mas demoramos um tanto para conseguir voltar a dormir.

Claro que fui pesquisar sobre a tal dor no dia seguinte – porque nossa geração de mães é assim, né? Dei uma olhada no Google, perguntei no grupo do WhatsApp, conversei com o pediatra. Aquela pesquisada básica, sabem?

Umas duas semanas após o primeiro episódio, aconteceu de novo: o Vinicius acordou chorando (gritando) de dor. Eu aproveitei para investigar se os sintomas dele batiam com os relacionados à dor do crescimento:

– A dor extrema ocorria na primeira parte da noite;

– Localizava-se nas duas pernas, mas em locais um pouco diferentes da primeira vez. Na primeira vez ele reclamou muito de dor nos tornozelos e pés. Da segunda, reclamou mais de dor atrás dos joelhos;

– Não havia nenhum sinal aparente de batida, inchado ou qualquer outra inflamação;

– Ele estava com aproximadamente 3 anos e meio.

dor do crescimento 01

 

É. Parecia mesmo ser a tal dor de quando os ossos crescem numa velocidade maior que o corpinho dele podia suportar.

Orientada pelo pediatra, dei um analgésico e fiz massagem na área de dor. E dei muito carinho, claro. Além disso, expliquei para ele o que estava acontecendo e o porquê da dor.

Ainda tivemos um terceiro episódio de dor aguda assim, alguns meses depois. Novamente os sintomas foram exatamente os mesmos. Por via das dúvidas, levamos ao pediatra. A avaliação clínica confirmou que era a tal dor do crescimento.

Houve ainda um quarto episódio de crise, dessa vez numa viagem de carro do filhote com os meus pais. Como eu já havia comentado sobre o ocorrido anteriormente com a minha mãe, ela identificou a causa da dor nas pernas. Mas não ficou menos assustada por causa isso.

Agora já faz um bom tempo que não somos mais acordados pelo filhote chorando de dor. Espero que continue assim porque é um tanto assustador. Mas ele continua sentindo a dor de crescer.

Outra forma dessa dor aparecer é no fim do dia, com a criança acordada mesmo, sem chegar a dormir e acordar de dor. O Vinicius reclama, em alguns dias, um pouco antes de dormir, de dor principalmente atrás dos joelhos. Às vezes numa perna, às vezes na outra, às vezes nas duas.

Continuo fazendo massagem, conversando e dando muito carinho. E torcendo para a dor passar. Mas torcendo com cautela. Afinal de contas, se essa dor passar por completo é sinal de que meu filhote cresceu – e eu não tenho pressa nenhuma nisso!

Sim, crescer dói.

E se dói no filho, dói na mãe também. Mas faz parte do pacote. Afinal, todos estamos nessa vida para crescer, certo? Como filhos e como mães e pais.

dor do crescimento pinterest

 

Vocês também passaram por algo semelhante? Os pequenos por aí sofrem com essa dor do crescimento? Conta pra mim!
loading...