Eles também ficam grávidos, sabiam?

Um dos comentários do texto “Me vejo no meu filho (ou ele é a cara do pai)” me chamou bastante a atenção. A Fernanda, que fez o comentário, falava da tentativa do marido de entender e participar da gestação de seus filhos. Fiquei pensando sobre essa questão dos pais – os homens – ficarem grávidos.

Não posso falar tanto pela geração dos meus pais, e menos ainda pelas anteriores, mas na minha geração – e no meu círculo de convivência – os pais costumam ficar tão grávidos quanto as mães!

Vocês não concordam? Ou será que estou falando besteira? Me conta aí nos comentários!

Na nossa gravidez, por exemplo, mal descobrimos que tinha um serzinho crescendo na minha barriga e o Charlles já tinha entrado em todos os sites disponíveis sobre bebê e maternidade – e vivia me dizendo o que eu podia ou não podia comer!

Tenho amigos que juram que ficavam enjoados junto com as esposas. Fora aqueles que visivelmente engordaram durante os nove meses! Ah! O sono e a falta de memória também costumam ser sentidos pelos pais tanto quanto – ou mais – que as mães.

Parece engraçado, mas todos esses exemplos são corroborados por estudos e livros. Hoje se sabe que os homens sofrem sim alterações corporais e hormonais durante a gestação de um filho.

Isso sem falar na ansiedade da espera, no acompanhamento do pré-natal, na adequação do orçamento familiar, na atenção da esposa dividida com a barriga (e depois com o bebê), dentre tantos aspectos emocionais a serem considerados.

Ou seja, eles também ficam grávidos sim!

Mas, infelizmente, a melhor parte da gestação – ter um bebê crescendo dentro de si – eles não podem saber exatamente como é. Lembro de que quando comecei a ter consciência dos movimentos do meu bebê. Isso lá pela 22ª semana de gravidez, porque antes eu simplesmente achava que eram gases! Eu mostrava para o meu príncipe a barriga, toda empolgada, e ele até ensaiava um sorriso, mas não conseguia sentir realmente esses movimentos.

Era um pouco estranho porque eu sentia o bebê mexendo e sabia que tudo estava bem – isso me tranquilizava. Mas como o Charlles não tinha essa experiência, a ansiedade dele era maior e a expectativa para o próximo ultrassom também.

Por isso achei tão bacana quando vi esse vídeo da HuggiesBrasil: “E se o papai ficasse grávido?”. Isso não é publicidade (não estou recebendo nada para mostrar esse vídeo). Mas me emociona porque eu realmente queria que o meu príncipe sentisse a delícia que é ter um bebê mexendo dentro da barriga. Ok, chutando nossas costelas e esmagando nossos órgãos internos também, faz parte do pacote.

Mais para o final da gestação, eu vivia com a mão na barriga e me achava linda com aquele barrigão, mesmo mexendo. Já o pai da criança se assustava e dizia que parecia que eu tinha um aliem dentro de mim!

E o comentário inspirador desse texto vai além: a Fernanda se diz feliz com o fato dos filhos serem fisicamente parecidos com o pai. Ela vê essa manifestação genética como um prêmio para o pai – que não pode vivenciar plenamente a gestação do filho.

Como vocês sabem, tenho um filho que é “a cara do pai”. Então, adorei esse jeito de pensar: já que nós os gestamos, pelo menos eles nascem parecidos com o pai!

 

E já que o tema hoje é dedicado aos homens, vou aproveitar para lembrar que estamos no começo do Novembro Azul. Uma campanha do Instituto Lado a Lado Pela Vida para conscientização da importância da prevenção no combate ao câncer de próstata.
Perdi um avô muito querido para o câncer de próstata, por isso esse assunto toca meu coração. E não faz mal nenhum ajudar a divulgar que “Cuidar da saúde também é coisa de homem!”.

2 comentários em “Eles também ficam grávidos, sabiam?

  1. Ai Talita, o que dizer? Lisonjeada de ser citada neste amado blog, que fala lindamente das “coisas” que mais amamos na vida: maridos, filhos, avós e da época mais surreal da nossa vida: a gravidez. Obrigada querida, continuo fã de carteirinha. Mil beijos!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *