Muitas vezes me surpreendo com as atitudes que o meu pai tem em seu papel de avô. Em uma mesma situação vivida por mim (quando criança) e atualmente pelo Vinicius, ele reage com muito mais leveza e alegria no segundo caso. Não é difícil me pegar pensando: “ah, se fosse eu…”.

Não me levem a mal, considero meu pai um ótimo pai – e o amo infinitamente como tal. Mas sua atual visão de mundo e momento de vida, como avô, é muito diferente de quando havia o peso das responsabilidades que tinha (já não as tem mais) como pai.

Para terem uma ideia, meu pai me pegou muito pouco no colo quando eu era recém-nascida – aquele velho medo de deixar o bebê cair. Por outro lado, passeava todo orgulhoso com o Vinicius nos braços já dentro da maternidade.

Outro exemplo bobo: meu pai sempre se preocupou em apagar as luzes de um ambiente que não estivesse sendo usado. Aquela brincadeira de criança ficar acendendo e apagando a luz – e ocasionalmente queimando a lâmpada – era terminantemente proibida na minha casa. Agora, adivinha quem ensinou o neto a descobrir o funcionamento de um interruptor?

Antes mesmo do Vinicius andar, peguei meu pai com o pequeno no colo brincando de ligar e desligar a luz do quarto infinitas vezes seguidas! Ah, se fosse eu… hehehe

Não, não sinto ciúmes e nem inveja da relação dos dois – avô e neto. Até porque nunca deixei de me sentir amada pelo meu pai – que sabe muito bem demonstrar carinho. Mas fico sim muito feliz em vê-lo levando a vida de uma forma bem mais alegre e leve.

Quando o Vinicius completou seu primeiro mês, meu pai escreveu um texto super carinhoso e mandou para todo mundo que tivesse o e-mail conhecido por ele – devidamente ilustrado por muitas fotos. Acredito que esse texto também merece ser registrado aqui no blog:

Meus primeiros 30 dias.

Queridos!

Hoje, 24 de junho de 2013, já faz um mês de minha existência fora da barriga da mamãe.
Por ter na minha base de código genético, genes específicos do papai e do vovô Mariano na área de estatística, gostaria de registrar alguns itens mais importantes dos meus primeiros trintas dias por aqui.
Ao nascer às 10 horas do dia 24 de maio de 2013, estava com 48 cm e 3,415 kg e o mais importante, saí da maternidade dois dias depois com 3,120 kg. Tem amiguinhos que perdem até 10% do peso na primeira semana.

Agora o mais incrível, após 235 mamadas no peito da mamãe, acredite, já recuperei 800 gramas. Já passei da fase do bebe magrinho, para um bebe “redondinho” com 3,920 kg de massa muscular e tudo.
E como tudo que entra, tudo se transforma e parte se descarta, mamãe e papai trocaram 193 fraldas.
Ah! Não poderia deixar de registrar os melhores momentos de relaxamentos… foram 26 banhos.

Eh vida boa.
Teriam muitos outros eventos para registrar, mas aí fica a critério da mamãe, pois muito deles já me perdi na contagem. Como por exemplo, a quantidade de presentes que ganhei, principalmente da vovó Valéria… um amor que nunca termina. Dos cheirinhos da comida da nona Marta que só me resta o consolo de saber que a qualquer momento “ainda vou provar”. Das visitas… nossa, quantas pessoas diferentes, estranhas, mas muito carinhosas. Sem falar das vezes que nossa cachorrinha Loly já me cheirou. O nono não gosta muito, mas um dia ele ainda vai curtir.

Bom, não poderia deixar de elogiar Papai e Mamãe. Eles estão dando um “banho”.
Nossa… quanta paciência… quantos cuidados comigo. As vezes faço até uma “manhazinha” para eles me pegarem no colo.
Para encerrar, gostaria de agradecer a todos, por me fazerem “parte” desta família tão maravilhosa e me transformarem num bebê tão importante.
Beijinhos
Vinicius.

Digam se não é muito amor envolvido???